Turma do Pelezinho, e seus amigos

Turma do Pelezinho, e seus amigos

Se reclamamos das poucas referências que temos nos quadrinhos para jovens e adultos, é certo que  esquecemos o quanto o cenário é pior quando o assunto são materiais direcionados para as crianças. Revendo as públicações do gênero desde os anos 50 (no Brasil) dá para contar nos dedos as revistas com heróis mirins negros que tiveram grande circulação em banca, dentre as quais preciso destacar os trabalhos feitos por Maurício de Souza, a princípio com nosso eterno rei do futebol: Pelé!

Década de 70, imaginem a popularidade do Pelé após a seleção canarinho ganhar o tri-campeonato na Copa do México. A popularidade de Edson Arantes do Nascimento estava nas alturas e apostando na imagem do jogador, então de conversas entre ele e Maurício (criador da Turma da Mônica) nasceu em 1977 o personagem Pelezinho, moleque bom de bola que desde pequeno era consagrado como "rei do futebol". Os coadjuvantes eram baseados em amigos de infância do Pelé "de verdade", com algumas criações de Maurício e certas homenagens a futebolistas da época. As histórias são bem divertidas, mesmo adulto consegui reler sem dispersão e gostei bastante da dinâmica entre os personagens, Pelézinho como todo herói tem um amigo fiel e meio brigão (Cana Braba, que dizem ser inspirado no Garricha), um rival (Jão Balão) e uma namorada (Neuzinha), que se somam a um núcleo até grande de coadjuvantes.

Primeiro publicado em jornais na forma de tiras, acabou ganhando revista própria pela editora Abril e ficou em bancas até 1986, totalizando 54 edições. Quando Maurício passou todos os seus títulos para a editora Globo em 87, a revista do Pelezinho acabou sendo descontinuada, tendo eventuais edições especiais nos anos seguintes e recentemente alguns encadernados pela Panini. 


image


Mas se na década de 90 não tinha Pelé nos quadrinhos, talvez pela falta de popularidade do cara que o inspirou, não descartaram a idéia de ter em bancas algum representante mirim do futebol brasileiro. Em 2006 lançaram o gibi do Ronaldinho Gaúcho (que virou até desenho animado) e em 2013 saiu um título de Neymar Jr, revista que ainda é publicada mensalmente pela Panini. Particularmente são gibis que não acompanhei tanto, e até tenho menos apreço por terem sido feitas mais por apelo de marketing do que por terem ideias para contarem boas histórias, tanto que em ambas o núcleo de coadjuvantes são muito mais criações originais do que baseados na infância dos heróis, como foi o Pelezinho. Posso estar bem errado aqui, até porque li esse material não mais sendo o público alvo dele. 

Se você leu algum desses materiais, diga pra gente o que achou. Se não leu, corre atrás que tá fácil pegar isso nas bancas ou até no sebo mais próximo. Vale a pena :)



14/10/2016
Rodrigo Cândido

Rodrigo Cândido

Redator

Pai do Jorge, bebedor de cerveja, ilustrador e amante de quadrinhos.