Review: Prowler #1

Review: Prowler #1

Quem se lembra do Gatuno? O personagem, originalmente chamado de Prowler, foi criado em 1969 por Stan Lee e John Buscema. Hobie Brown era um gênio que devido a falta de reconhecimento e problemas de grana, acabou usando suas invenções para cometer crimes, até que foi convencido pelo Homem-Aranha à ser reformar. De novo, o clichê do negro bandido que se arrepende e vira herói, algo corriqueiro nos quadrinhos daquele período.

Entre uma mini série própria e muitas participações em equipes de mercenários ou heróis menores, recentemente o personagem vivia como coadjuvante das histórias do Peter Parker, trajando-se como Homem-Aranha quando necessário provar que o protagonista não é o Aranha. Confuso? Para quem não acompanha os quadrinhos recentes do escalador de paredes, atualmente Parker deixou de ser um pé rapado e finalmente fez fortuna com suas invenções, deixando o Aranha com um status de guarda-costas desse novo grande empresário. Parecido com o que faziam com Stark antes dele deixar pública a identidade de Homem de Ferro.

Resultado de imagem para prowler #1 2016

Acontece que em uma dessas missões como Homem-Aranha, Robbie acabou sendo morto por Elektro e depois ressuscitado pelo vilão Chacal, sendo parte de uma nova saga chamada Clone Conspiracy. Não me cheira bem essa plot bem anos 90 mas enfim, isso gerou nova revista para o Gatuno, e o que li não foi tão ruim quanto esperava.

Hobie sabe de sua morte, e após renascido deve obediência ao Chacal. Os planos dele não são claros nessas edição, vê-se que muitos outros personagens foram tragos de volta e vivem num complexo em São Francisco, mas Gatuno é o único que acaba ignorando as ordens e dá suas saídas para combater o crime. Aqui é bacana que o Gatuno meio que tenta se estabelecer em uma cidade onde não existem super-heróis uniformizados, apesar de Blade e X-Men já terem tido histórias na região.

Essas aventuras são envoltas em muitos pensamentos e recordatórios do herói, que constantemente se questiona do porque ainda fazer o que faz, e qual seu papel no grande plano do Chacal.



Certamente é uma revista pronta para ser cancelada, sendo um tie in de Clone Conspiracy, percebe-se que o roteirista não se aventurou muito no roteiro, não tentou criar nada novo ou tirar o personagem muito da caixa. Tenho apego a heróis obscuros e até esperava um pouco à mais desse material, o final me instigou a continuar mas é muito claro que a chance do cara morrer de novo nas próximas edições é enorme. Aguardemos.

13/11/2016
Rodrigo Cândido

Rodrigo Cândido

Redator

Pai do Jorge, bebedor de cerveja, ilustrador e amante de quadrinhos.