Review: Os Nomes

Review: Os Nomes

Kevin Walker pula de um prédio, instigado por um homem conhecido apenas como “O Cirurgião”. Antes de se matar, o executivo escreve uma carta para sua esposa, que ao lê-la e descartar a possibilidade do suicídio, decide por conta própria descobrir o motivo daquela morte. Assim começa Os Nomes, história em 9 edições publicada pela Vertigo, onde vemos uma viúva se envolver em uma conspiração de proporções globais.



Pra mim histórias de grandes conspirações são grandes reflexos dos anos 90, quando o acesso a internet não era tão massivo e desmascarar certas falácias tornava-se um trabalho complicado. Kátia Walker, a viúva, começa de mocinha aparentemente indefesa à uma badass que não medirá esforços para encontrar o assassino de seu marido, que havia lhe deixado uma fortuna considerável e um filho com inteligência fora do normal. O garoto seria chave para descobrir um grupo de pessoas que por meio de tecnologia e intimidação controlavam todo o sistema financeiro do planeta. Só que mesmo esse poderoso grupo agora enfrentava a investida de uma força que usando os dados dos próprios Nomes, fazia populações de diversas capitais se revoltarem contra seus governos. No meio desse esquema todo estavam Kátia e seu enteado, que quanto mais próximos do motivo do assassinato chegavam, mais danos causam aos Nomes e à seus próprios destinos.


Os Nomes consegue evocar bem o sentimento de “não confie em ninguém”. Cada pessoa, cada telefonema feito, é para um inimigo em potencial. Infelizmente muitos detalhes se perdem na narrativa das primeira edições, o roteirista joga milhões de coisas na sua cara e a maioria não ajuda no andamento da história, que tem um boost no meio e algumas reviravoltas totalmente anti-climax. O último número meio que tenta resolver centenas de problemas em poucas páginas, o leitor acaba pensando que ou a história terá mais números, ou que o autor foi obrigado a concluir sua saga sem aviso prévio. É quase a sensação de parar de ver algum filme de mistério pouco antes do final, não estragou a jornada por completo mas deu aquela sujada no produto final.


Os Nomes (The Names)

Roteiro: Peter Milligan

Arte: Leandro Fernandez

Editora: DC/Vertigo



04/09/2017
Rodrigo Cândido

Rodrigo Cândido

Redator

Pai do Jorge, bebedor de cerveja, ilustrador e amante de quadrinhos.